24 abril, 2008

O Líder

Nós não queremos um líder como o líder da Revolução Francesa, que disse: "Lá vai o meu povo. Tenho de descobrir para onde vai, para o poder conduzir".

23 abril, 2008

Dizem-se do PS

João San-Bento, histórico do Partido Socialista, mostrou-se descontente com a liderança do PS/Açores, afirmando que os independentes que Carlos César quer no partido, trata-se de um "bando de oportunistas que querem vir fixar o lugar para sentarem-se na cadeira". É visível que há sérios problemas dentro do partido socialista dos Açores, digamos mesmo que não existe partido socialista nos Açores e que César tem uma liderança a prazo. Todos os nomes que lhe seguem na sucessão estão fragilizados, não trazendo qualquer peso político atrás de si.

O mais frustrante para o militante do partido socialista é ser substituído por um independente, e os militantes do partido socialista não merecem esse desprezo por parte dos seus dirigentes. Um partido como o PS, com história, visto como um dos obreiros da democracia em Portugal, merece e deve ter sempre um papel relevante na sociedade Portuguesa e em particular na açoriana, mas nunca esquecendo os seus militantes.

A arrogância de César

Consta que, no congresso do partido Socialista Açores, foi apresentada uma moção sectorial que proponha uma alteração de estatutos do Partido Socialista para que as eleições aos órgãos do partido deixassem de ser por listas fechadas e passassem a ser por listas abertas, bem como a nomeação dos candidatos a englobarem as listas às eleições regionais. Ora, nesta sequência, Vasco Cordeiro subiu à tribuna e deu a entender que esta moção não poderia ser aprovada, a mensagem não passou e Carlos César, preocupado com o rumo que as coisas estavam a tomar, tomou da palavra e disse literalmente "esta moção não pode ser aprovada". Ora, aqui é notória a arrogância com que Carlos César trata os seus camaradas de partido!

22 abril, 2008

Abandono escolar

"O Abandono escolar na escolaridade obrigatória, até aos 15 anos, baixou para 2%, e no ensino secundário também baixou!"

Carlos César no lançamento da 1º pedra da escola de Vila Franca.
E os números do ensino secundário? ou só se diz o que melhorou.

Big boss

"Temos um patrão em comum, o secretário da economia!"

Presidente da atlânticoline em entreviste ao telejornal - RTP/Açores

20 abril, 2008

Semana Académica

Noite de Sexta Feira - Davide Fonseca, foi a melhor noite, se bem que a de sábado esteve mais gente, contudo a tenda tornou-se pequena para as pessoas que lá se dirigiram para ver Blasted Mechanism.
video

17 abril, 2008

Uma visão sociológica.

Escrevo aqui uma breve reflexão sobre a ida do Jorge Coelho para a "Mota Engil" e o lobby das empresas de construção civil.
Quando o ministro Mário Lino e o nosso primeiro-ministro José Sócrates decidiram que a construção do novo aeroporto seria na OTA, desde logo surgiu a opção Alcochete, que também desde logo foi posta de parte. Para sustentar a frase "Margem Sul jamais", esteve as questões ambientais, com o maior aquífero da Europa situado na zona de Alcochete, a base da força aérea Portuguesa a uns quilómetros de distância de Alcochete, a academia de tiro, as questões dos transportes, entre inúmeras outras coisas.
O que é certo, é que de um momento para o outro, o ministro Mário Lino e o primeiro-ministro, mudaram a sua opinião, sustentada num parecer dos grandes empresários Portugueses. Este dossier foi entregue ao primeiro-ministro, ao ministro das obras públicas e até ao Presidente da Republica, tendo custado mais de 200 mil Euros e tendo sido elaborado em menos de 3 meses.
Ora, aqui é visível o grande poder de Lobby dos empresários, que fizeram com que uma obra de grandes dimensões e de muitos milhões de Euros fosse alterada como do dia para a noite. Pois os interesses dos empresários de construção civil na margem sul é óbvia, ficariam a ganhar, desde logo, com a construção das vias de comunicação, nomeadamente uma Ponte, pelo facto da margem sul ser menos povoada, logo com a construção do aeroporto e das vias de comunicação há a necessidade da construção de empreendimentos comerciais e de habitação, e também por outro lado, é preciso não deixar de referir que o maior “Outlet” do pais o "freeport" lá se situa e é pertence de Belmiro de Azevedo.
E mediante este cenário, é natural que a ida de Jorge Coelho para a "Mota Engil" tenha sido para prepara o dossier de candidatura à construção do novo aeroporto e suas infra-estruturas.

Problemas sociais = Criminalidade

Problemas sociais relacionados com criminalidade
2008-03-29

O líder da JSD/Açores considerou hoje que os problemas sociais que causam o aumento da criminalidade no arquipélago "resultam" das políticas seguidas pela governação socialista na Região.

"Esses problemas sociais resultam, fundamentalmente, das políticas económicas e sociais do governo do PS na nossa Região", afirmou Cláudio Almeida, que discursava na sessão de abertura do Fórum "Juventude e Educação", em Ponta Delgada.

Segundo o líder dos jovens social-democratas, os problemas sociais gerados pela governação socialista nos Açores são a "pobreza, a criminalidade relacionada com a toxicodependência e a delinquência juvenil".


Aumento da criminalidade resulta do "falhanço das políticas sociais" do governo
2008-04-15

O líder parlamentar do PSD/Açores considerou hoje que o aumento da criminalidade na Região resulta do "falhanço das políticas sociais" do governo regional.

Clélio Meneses sublinhou que a insegurança "é apenas um sintoma das doenças sociais que grassam nos Açores", destacando que "as dependências do álcool e de estupefacientes assumem-se como uma das razões mais significativas para o clima que se vive hoje na Região".

15 abril, 2008

Carro da PSP roubado

"Aconteceu nas Capelas na madrugada de ontem, quando um agente parou o carro patrulha para ir buscar um colega, deixando a chave no seu interior. Quando voltou, o carro já tinha sido levado"

A nossa segurança é esta, que até os carros da PSP são alvo de furto. O individuo que o roubou ou o levou emprestado sem pedir, foi mais por brincadeira e não por maldade, mas mesmo assim, demonstra a nossa insegurança. Talvez se houvesse mais efectivos policiais isto não teria acontecido.

23 ANOS

10 abril, 2008

Boiolas são vocês

09 abril, 2008

04 abril, 2008

A SATA "tremeu"

Alberto João Jardim, na passada semana, veio a público exigir que a SATA diminuísse as tarifas aéreas entre o Funchal e o Porto Santo. Esta Semana o presidente da SATA já veio a público dizer que iria descer as tarifas aéreas na Madeira. Impressionante!

Nos Açores não há exigências. Continuamos a pagar 170 Euros para ir de Ponta Delgada até ás ilhas do grupo Central e 250Euros para ir até Lisboa.
É o atraso de vida em que vivemos!
Vergonhosa a mediocridade dos nossos governantes.

03 abril, 2008

SATA e Governo Vs Airbus

Estava eu a navegar na blogosfera e no blog foguetabraze vi o seguinte post "Não há corrupção nos Açores? ", que achei interessante e deste modo transcrevo em parte a carta da Airbus ao Governo Regional, lá públicada.

Neste concurso os interesses dos Açores não prevaleceram
Objectivo desta carta:- Providenciar apoio, aconselhamento e conhecimento local, capacitando assim a ATR para solicitar à SATA o bloqueamento da anunciada aquisição e relançar um processo junto de selecção, baseado nas mesmas “regras básicas” para ambos os competidores: a ATR e a Bombardier.
Durante 2 anos a ATR trabalhou com a SATA, estudando as rotas da SATA, número de passageiros, chegando ambos à conclusão que “financeiramente e operacional a escolha do ATR 72-500 era a mais conveniente para a SATA e para os Açores”.
Fragilidades do Dash 8-400 da Bombardier
- Trem de aterragem partiu-se em várias aterragens.
- Ineficiências no consumo de “fuel” nas rotas de curta duração.
- Elevado custo de manutenção e operação.
- Mais baixa capacidade de transporte de carga.
Tudo isto comparado com o ATR 72-500

É conhecido que o Dash 8-400 não foi desenhado para as difíceis operações inter-ilhas.
Nenhuma companhia aérea no Mundo escolheu o s Dash 8-400 para realizar rotas de duração média de 30 minutos.
Devido às limitações técnicas e comerciais do Dash 8-400 nas rotas da SATA inter-ilhas, a SATA viu-se obrigada a comprar também 2 “usados” Dash 8-200. Quando a ATR nunca foi questionada sobre o seu modelo mais pequeno, o ATR 42.O Dash 8-200 é um avião totalmente diferente do Dash 8-400, exigindo diferentes motores, hélices, componentes, maiores investimentos em peças em stock, e maior custo com o treino de pilotos e mecânicos.
Por outro lado a SATA poderia operar toda a sua rota inter-ilhas com um único tipo de avião da geração ATR 72-500, ganhando eficiência e em economia.
Quando a ordem do dia é poupar em combustível, a escolha da SATA dos Dash 8-400 e dos Dash 8-200 vai, claramente contra a corrente dos princípios básicos da indústria da aviação e “parece ser ditada por outros interesses”.
Comparação dos custos da operação inter-ilhas com os 4 Dash 8-400 da Bombardier com os 4 aparelhos que a ATR proponha:
- A SATA irá pagar mais 13 milhões de euros.
- A SATA com os mesmo dinheiro que vai pagar pelos 4 Dash 8-400 compraria 5 ATR 72-500.
- Um voo médio de 30 minutos efectuado pelo Dash 8-400 tem um custo de 1.982 euros. O mesmo percurso seria feito pelo ATR 72-500 em 33 minutos e custaria 1.580 euros, menos 402 euros.- Com a poupança que a SATA faria, voando com o ATR 72-500 em vez do previsto Dash 8-400, em 10 anos a SATA pagaria o custo total de compra dos 4 ATR 72-500 (51 milhões de euros).
- Com a opção da SATA pelo Dash 8-400, a empresa pagará anualmente mais 5,1 milhões de euros, do que se tivesse optado pelo ATR 72-500.O Dash 8-400 não foi desenhado para uma alta utilização em rotas de curta duração e, daí, não pode ser eficiente na rota inter-ilhas da SATA.
- O Dash 8-400 vazio pesa mais 4,8 toneladas. Assim, um voo do Dash 8-400 da Bombardier com o mesmo número de passageiros do que um voo da ATR 72-500 do Grupo EADS, sairá sempre mais caro já que transportará sempre mais 4,8 toneladas, aumentando o consumo de combustível.
- O maior peso do Dash 8-400 fará com que a SATA tenha que gastar mais 20.000 toneladas de combustível (25 milhões de USD), em dez anos.
- O maior peso do Dash 8-400 fará com que sejam emitidas mais 66.000 toneladas de CO2, em dez anos.O Dash 8-400 tem capacidade para mais passageiros do que o ATR 72-500. Todavia, mesmo tendo em conta um crescimento de 5% por ano no número de passageiros da SATA, nos voos inter-ilhas, os 4 ATR 72-500 terão capacidade para transportar todos os passageiros durante 15 anos.

A maior capacidade para transporte de passageiros de Dash 8-400 não será usada durante vários anos e fará com que seja, em muito, reduzida a capacidade para transporte de carga, que é uma das maiores exigências da SATA.
O anúncio do Governo Regional da aquisição de 4 Dash 8-400 e 2 “usados” Dash 8-200 não está de acordo com as regras do concurso. A SATA sempre insistiu junto da ATR que os aparelhos teriam que ser todos novos e que teria que haver 1 aparelho que fosse capaz de operar em todas as pistas das nove ilhas da Região, incluindo a pequena pista da ilha do Corvo.
Em Setembro de 2007, a ATR demonstrou que o seu ATR 72-500 poderia operar na pequena pista da ilha do Corvo, e daí estar a ATR a cumprir com as regras do concurso.
Pelo contrário o Dash 8-400 não pode operar em pistas tão pequenas, obrigando-se a SATA a adquirir o mais pequeno Dash 8-200.O anúncio deste tipo de aviões, feito pelo Governo Regional, veio demonstrar que a SATA alterou as regras do concurso, sem dar oportunidade à ATR de propor a aquisição do seu ATR 42-320.
O Governo Regional anunciou que o investimento da SATA, na compra dos 4 Dash 8-400, mais os 2 Dash 8-200, já usados, custará 111 milhões de USD, enquanto que a oferta da ATR, incluindo 4 ATR 72-500, mais 2 novos ATR 42-320, custaria 85 milhões de USD.
Em 19 de Março de 2008, a ATR requereu formalmente à Administração da SATA para que pusesse em “stand-by” qualquer acordo eventual com a Bombardier e que reanalisasse a selecção dos aviões numa base competitiva e igualitária.
A ATR informa que os governos de Itália e França, assim como o grupo EADS (Airbus) solicitarão explicações ao Governo Regional dos Açores sobre a escolha da SATA.

Esta Carta leva-nos a reflectir:
- Todos os concursos públicos que o Governo Regional faz, mete água (rotas aéreas, transportes marítimos, casinos, SCTU´s e etc...)
- Se a Sata tivesse optado pela Airbus, havia claramente a possibilidade de baixar as tarifas aéreas.
- Não seria bom a SATA ir para a privada?
- e muitos mais assuntos...

01 abril, 2008

Relatório sobre pluralismo político-partidário - Jornal O Público

ERC: PSD é sub-representado e PS "apagado", como partido autónomo do Governo, na RTP

Segundo o mesmo relatório, a monitorização dos blocos informativos da RTP mostrou também que existem "desvios significativos relativamente aos parâmetros de presença estabelecidos pela ERC na RTP Madeira e, de forma ainda mais evidente, na RTP Açores".

Este relatório vem demonstrar que os meus post´s sobre a RTP Açores não são mentira nenhuma, gostava era de saber qual os argumentos de algumas pessoas, que quando eu critiquei a RTP Açores e a exagerada atenção dada ao governo e ao partido que suporta o governo nos Açores, vieram em defesa da sua dama, agora perante esses dados da ERC. O que é certo é que contra factos não há argumentos.