06 junho, 2007

12 anos para falar de juventude


Numa recente notícia publicada no Correio dos Açores no passado fim-de-semana, na qual refere as declarações do presidente do governo regional no encerramento do congresso da JS, onde afirma que “pretende na próxima legislatura, dar prioridade a políticas de protecção de juventude e de fixação de jovens nas ilhas de menor dimensão”. Se tais declarações fossem proferidas pela oposição, ainda justificava-se, mas pelo próprio presidente do Governo Regional, não se justifica.

Segundo quadros estatísticos do INE (Instituto Nacional de Estatística), e de acordo com os censos de 1991 e 2001, a população a açoriana tem vindo a diminuir significativamente, com mais ênfase nas ilhas de menor dimensão como Santa Maria, São Jorge, Pico, Graciosa e Flores. Esta desertificação destas ilhas é preocupante. Só agora, depois de 12 anos de governação socialista, é que parece que o Governo Regional tomou conhecimento da mesma. O anúncio do presidente do Governo, quanto à questão em causa, dá a entender que este governo não tem 12 anos de mandato mas sim 12 meses.

Apesar da tão propagandeada criação das “Ilhas de Coesão” e da constituição da sociedade “Ilhas de Valor”. Apesar da criação de incentivos e comparticipações financeiras criadas pelos Governos Regionais – alguns até vêm dos Governos do PSD e têm sido adaptados por este Governo. O facto é que os Açores continuam a ter ilhas com imensas dificuldades na fixação de jovens e com níveis de desenvolvimento muito baixos, comparados com outras regiões do país. Em algumas ilhas dos Açores, já de si pouco populosas, tem se verificada uma diminuição da população que nos deve preocupar.

7 comentários:

Carina Camara disse...

hum...onde foi que já vi um texto parecido, parecido a este? hum...

claudio almeida disse...

Não sei Carina. Mas concordas ou não comigo?

Carina Camara disse...

Caro Cláudio,
Evidentemente que não concordo contigo. Apesar de sermos muito novos, ambos sabemos que o problema da desertificação não vem de agora e existe há mais de 12 anos, não é? A verdade é que o Governo dos Açores trabalha para contrariar esta tendência, ao contrário das câmaras do PSD que preferem empenhar-se nos clubes de futebol! Se calhar se investissem na fixação dos jovens nas suas ilhas, se nos empenhássemos todos, de certeza que as tendências seriam diferentes! A Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa é o que me vem à cabeça: o dinheiro que se investe no marítimo local fixaria quantos jovens?
Bem Cláudio, esta é a minha opinião e como podes ver não concordo contigo.
Já agora, já me lembrei onde li um artigo muito parecido com o teu! Foi esta semana no Açoriano Oriental! Vinha assinado por um Companheiro teu!
Um Abraço!

claudio almeida disse...

Era demasiado complicado se concordasses comigo, devido a tua ideologia.

Esta questão não é um problema local, mas sim regional, e como bem disseste "o Governo Regional trabalha para contrariar isso", não parece, porque foi o próprio presidente do governo regional a afirmar que "pretende na próxima legislatura, dar prioridade a políticas de protecção de juventude e de fixação de jovens nas ilhas de menor dimensão". Ou seja nada tem vindo a ser feito até agora!
Certo?
Quanto ao artigo do meu companheiro Pedro Gomes, não sabia que ele tinha escrito, mas já vi a crónica dele.

Carina Camara disse...

Caro Cláudio, compreendo que também não concordes comigo devido à tua ideologia!
No mês de janeiro, numa conferencia de imprensa, o lider da JSD/Açores concordava comigo: referiu os esforços do Governo dos Açores na criação de incentivos e comparticipações financeiras para a fixação de jovens nas nossas ilhas.
Acrescentou ainda que a três meses, a contar daquela data, apresentaria uma proposta para fixar os jovens nos seus locais de origem.
Certo?
Pois é Cláudio, continuamos a não concordar!
Um Abraço,
Respeitosa Saudação

Lili disse...

12 anos para falar de Juventude?????????????????????
Este título é insultuoso! Tem vergonha.

claudio almeida disse...

Carina
Certo
Só que te esqueceste de referir o resto, e o resto é de que apesar destes esforços não se vê resultados.

Passados 3 meses, ou seja, sábado último, apresentei as tais propostas que se baseiam essencialmente na questão dos transportes marítimos.