16 novembro, 2007

32 € X 6 = 1 nado


(...)Na tentativa de fomentar o aumento de nascimentos o governo português criou o chamado subsídio pré-natal, como compensação financeira às mães que ficarem grávidas. Este subsídio, que varia entre 130 € e 32 € mensais, a partir da 13ª semana de gravidez até ao nascimento, é atribuído por escalões em função do rendimento anual bruto do agregado familiar e do número de filhos em idade de receber abono de família.Por exemplo, um jovem casal que tenha um rendimento bruto mensal de 1000 € e queira ter um filho só terá direito a um subsídio mensal de 32 € durante os últimos seis meses de gravidez. Para que lhe sejam atribuídos os 130 € terá de já ter cinco filhos. Ou seja, só terão acesso ao escalão mais elevado quanto menor for o seu rendimento e quantos mais filhos tiverem. (...)



3 comentários:

Luis Pires disse...

E depois liberalizam o aborto... Viva ás contradições...

Romulo M. Avila disse...

Pois é.. contradições atrás de contradições. Já agora, a título de curiosidade: Carlos Tomé, da informação da RTP Açores é nomeado por César para o seu Governo.
Já para os lados de Lisboa, o actual presidente da RTP, Almerindo Marques é nomeado para presidir às Estradas de Portugal..

São mesmo iguaizinhos estes dois.. e assim se faz política! :P Depois, nada tá comprado....

Valha-nos a esperança, a alegria.. e a vontade de um amanhã ser melhor..

Rui Gamboa disse...

No fundo quem é beneficiado é as familias que têm filhos exactamente para poderem ter ajudas estatais. São tb nessas famílias que os filhos abandonam a escola mais cedo. Ah, espera aí, mas como agora o abandono escolar não dá para ficar retido, está td bem. É a isso que se chama estratégias interdisciplinares, pena é que não sejam de progresso.

Abraço!